Comando para Ignorar Faixa de Opções
Ir para o conteúdo principal
SharePoint

Release

Envo: Geração solar cresce 179% na Região de Piracicaba em 2017

Escrito por:

Assessoria de Imprensa   19/01/2018

​​
Piracicaba, 16 de janeiro de 2018 – Mais consumidores na Região de Piracicaba tem escolhido gerar a própria energia por meio da instalação de placas solares. De acordo com dados da CPFL Paulista, 109 residências, comércios e indústrias usavam a energia solar em setembro de 2017, um crescimento de 179% ante ao mesmo período de 2016, quando apenas 39 consumidores utilizam a modalidade. 

Os dados consideram a quantidade de clientes com painéis solares homologados pela distribuidora nas cidades de Piracicaba, Americana, Capivari, São Pedro, Águas de São Pedro, Santa Bárbara d’Oeste e Nova Odessa. Veja abaixo a lista completa do número de clientes por cidade, e a evolução da instalação ano a ano:

CidadePlacas solares instaladas até 2015Placas solares em 2016Placas solares em 2017 (30/09)Total
Piracicaba7141940
Americana1161633
Santa Bárbara d'Oeste08917
Capivari0167
Nova Odessa0336
São Pedro0123
Águas de S. Pedro0033
Total84358109​

Na região, Piracicaba e Americana lideram o crescimento, com 40 e 33 consumidores respectivamente. Entre janeiro e setembro deste ano, 58 novos clientes optaram por instalar sistemas de geração solar distribuída, um crescimento de 87% em relação ao mesmo período de 2016. No total, os 109 clientes com placas solares possuem uma capacidade instalada de 280 kWp, volume suficiente para abastecer em torno de 182 famílias com um consumo mensal de 200 kWh.

Embora os consumidores residenciais liderem o crescimento, representando 79% das instalações realizadas neste ano na região, a geração distribuída solar também traz benefícios para estabelecimentos comerciais e indústrias. Ao investir em um projeto de geração solar, o consumidor passa a produzir a sua própria energia, podendo reduzir em até 95% o valor da sua conta de luz e contribuindo para o meio-ambiente. 

Pelas regras definidas pela Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel), clientes podem abater da conta de luz o volume de energia produzido pelos painéis solares. Quando o consumo é menor do que o volume gerado, a diferença se torna um crédito, usado para reduzir a fatura com a distribuidora local — os clientes ainda precisarão das concessionárias para atender a demanda à noite, quando não há geração de energia.

Para Pablo Becker, diretor executivo da Envo, braço da CPFL Energia para a geração distribuída solar para residências e clientes comerciais e industriais de pequeno porte, a geração solar é uma excelente alternativa para quem quer economizar na conta de luz e pretende adotar hábitos mais sustentáveis em relação ao meio-ambiente.

“A energia solar não consome recursos naturais, não emite poluentes e está na vanguarda do combate ao aquecimento global por ser uma fonte totalmente renovável. O consumidor passa a ser referência de responsabilidade ambiental e o imóvel fica mais ‘verde’, valorizando o patrimônio,” explica.

Modalidade está cada vez mais acessível

Desde dezembro de 2012, quando a micro e mini geração distribuída foi regulamentada pela Aneel (Agência Nacional de Energia Elétrica), o valor do investimento inicial já caiu entre 15% e 20% e hoje está na faixa de R$ 15 mil a R$ 20 mil, dependendo do porte do projeto a ser instalado na unidade consumidora do cliente. Com a economia gerada na conta de luz, o cliente tem um retorno rápido, entre seis e sete anos.

O primeiro passo para adotar a geração de energia solar é analisar a conta de luz e o consumo, além de avaliar as condições estruturais da instalação que receberá os painéis fotovoltaicos. A partir da análise do consumo de energia, empresas como a Envo realizam o dimensionamento (capacidade instalada, número de placas, inversor) do sistema solar que será instalado na unidade consumidora do cliente.

O modelo mais tradicional de instalação das placas solares é o aproveitamento dos telhados, onde há maior incidência solar sem sobras, embora também haja a opção de instalar no solo. A partir de uma estrutura que fixa as placas, a energia gerada vai para o inversor, equipamento que faz a inversão da energia da corrente contínua para a corrente alternada, mais usada no dia a dia. 

Para que os consumidores possam usufruir do abatimento da conta de luz, é necessário solicitar a homologação do sistema fotovoltaico à distribuidora local – no caso da região de Piracicaba, a CPFL Paulista. A concessionária verifica o projeto e a instalação, e realiza a troca do medidor para um modelo bidirecional, que registra tanto a produção quanto o gasto de energia. 

Os créditos apurados podem ser utilizados pelo consumidor em até 60 meses. Isso significa que, mesmo que o imóvel fique vazio por um período, o benefício não será perdido. Além disso, os créditos gerados em uma unidade consumidora em uma cidade podem ser usados por outro local em outro município, desde que atendidos pela mesma distribuidora – um cliente em Piracicaba pode usar os créditos para abater a conta de luz em Americana ou Campinas, por exemplo.

Além da economia para o bolso do cliente, a geração solar também contribui para o meio ambiente. Além de ser uma energia limpa e renovável, a energia solar reduz a demanda das fontes mais caras e poluentes, como termelétricas movidas a combustíveis fosseis. 



Tags:
    Envo; geração solar; prosumer; sustentabilidade; economia