Comando para Ignorar Faixa de Opções
Ir para o conteúdo principal
SharePoint

Release

CPFL Paulista e CPFL Piratininga intensificam a fiscalização contra fraudes e furtos de energia em Campinas e região

Escrito por:

Assessoria de Imprensa   04/10/2017

Campinas, 05 de outubro de 2017 – A CPFL Paulista, distribuidora do Grupo CPFL Energia que atende 4,3 milhões de clientes em 234 municípios no Estado de São Paulo, e a CPFL Piratininga, que atende 1,70 milhão de consumidores em 27 municípios do interior e litoral paulista, intensificaram a fiscalização contra fraudes e furtos de energia em Campinas e região. 

No primeiro semestre de 2017, as concessionárias identificaram 6,857 mil irregularidades na somatória dos números de Campinas, Americana, Sumaré e Hortolândia (na área de concessão da CPFL Paulista) e Indaiatuba (CPFL Piratininga), crescimento de 29,42% na comparação com a média de igual período do ano passado. 

Somente em Campinas, foram identificadas 5,657 mil irregularidades nos seis meses iniciais deste ano, o que corresponde, a quase dois terços (64,72%) do acumulado em todo o ano de 2016 (8,74 mil irregularidades).

Fruto da maior assertividade do trabalho desenvolvido pela Diretoria Comercial do Grupo, que vem adotando novas tecnologias e aplicando mais inteligência em seus processos de monitoramento e análise, a CPFL Paulista e a CPFL Piratininga foram capazes de identificar um número maior de irregularidades na rede elétrica nos primeiros meses de 2017, coibindo esta prática criminosa em atuação conjunta com o poder público. 

Ao aplicar mais inteligência e tecnologia em seus processos, a Companhia ampliou o número de inspeções na região. Entre janeiro e junho de 2017, foram executadas 25,282 mil inspeções em clientes residenciais, comerciais e industriais nos municípios de Campinas, Americana, Sumaré, Hortolândia e Indaiatuba, alta de 34% na comparação com a média de igual período do ano passado.

Ao longo dos últimos 18 meses, a CPFL Paulista e a CPFL Piratininga realizaram no total dos cinco munícipios (cada uma nas localidades das respectivas áreas de concessão), 62,924 mil inspeções, encontrando 16,766 mil irregularidades, o que equivale, em média, a pelo menos uma irregularidade a cada quatro consumidores visitados. O volume de energia furtado neste período, de 40,24 mil MWh, seria suficiente para abastecer 22,355 mil famílias pelo período de um ano. Somente em Campinas, também no período de 18 meses, foram 49,458 mil inspeções e encontradas 14,407 irregularidades. O volume furtado (40,24 mil MWh) seria capaz de abastecer 19,196 mil famílias. 

Em razão deste trabalho de monitoramento, as equipes da CPFL Paulista descobriram, em inspeção de rotina realizada em 22 de setembro na cidade de Hortolândia, o caso de um cliente comercial que fraudava a energia por meio de uma ligação clandestina nos fundos do edifício onde o negócio está localizado. Comprovada a fraude, o responsável pela medição no estabelecimento comercial, um hotel, foi preso em flagrante por autoridades policiais e levado à delegacia. Após pagamento da fiança, o funcionário foi liberado.

“O aumento da inteligência no monitoramento tem sido um grande aliado na identificação das fraudes e furtos de energia em nossas redes. Além disso, a integração com os órgãos públicos e autoridades policiais também são fundamentais nessas operações que visam o combate às ligações clandestinas”, afirma o Diretor Comercial da CPFL Energia, Roberto Sartori. 

Furtos e fraudes são considerados crime

As fraudes e furtos de energia são crimes previstos no Código Penal, e a pena pode variar de um a quatro anos de detenção. Além disso, para os fraudadores também são cobrados os valores retroativos referentes ao período em que ocorreu o roubo, acrescidos de multa. As distribuidoras do Grupo CPFL, que atuam em São Paulo, Rio Grande do Sul, Minas Gerais e Paraná, têm atuado em parceria com o poder público para coibir estas práticas.

Além de crime, as irregularidades contribuem para tornar a conta de luz mais cara para todos os consumidores. Isso ocorre porque a Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel) reconhece nas chamadas “perdas comerciais”, como são denominados os furtos e as fraudes no jargão do setor elétrico, uma parcela do prejuízo da distribuidora com o valor da energia furtada e dos custos para identificar e coibir as irregularidades.

Outra consequência negativa dos furtos e fraudes de energia é a piora na qualidade do serviço prestado, prejudicando todos os consumidores. As ligações clandestinas sobrecarregam as redes elétricas, deixando o sistema de distribuição mais suscetível às interrupções no fornecimento de energia. A regularização destes clientes traz cidadania para essa parcela da população e beneficia todos os consumidores com um serviço de melhor qualidade.

Consumidores que adotam esta prática, popularmente conhecida como “gato”, também estão colocando em risco as suas vidas e da população. Pessoas não habilitadas que tentam manipular o medidor de energia ou realizar ligação direta na rede elétrica correm o risco de choque e acidentes graves, que podem ser fatais.

A fraude e furto de energia também tem um impacto social significativo, uma vez que não há arrecadação de impostos sobre a parcela de energia furtada. Isso diminuiu a disponibilidade de recursos do poder público para investimentos em saúde, segurança e educação. 
 
Atuação preventiva

O Grupo CPFL desenvolve ativamente uma estratégia de monitoramento e análise do perfil de consumo de seus clientes, de modo a identificar possíveis variações no consumo de energia elétrica que indiquem perdas comerciais. 
 
Desde 2016, esse trabalho foi fortalecido com o projeto da telemedição dos grandes clientes industriais e comerciais do Grupo. Mais 26 mil medidores inteligentes foram instalados nestes consumidores, possibilitando o monitoramento em tempo do consumo de energia e tornando mais eficaz o processo de identificação de fraudes. 

Apesar das ligações irregulares (perdas comerciais) representarem menos de 2% no total de perdas de energia de suas distribuidoras, a CPFL Energia trabalha para diminuir ainda mais este índice visando reduzir o encarecimento da conta de luz dos consumidores, manter a qualidade dos serviços prestados pela companhia e garantir, por consequência, a segurança da população. ​

Tags:
    CPFL Paulista; CPFL Piratininga; fraudes e furtos; energia; Campinas; Hortolândia