Comando para Ignorar Faixa de Opções
Ir para o conteúdo principal
SharePoint

Release

Clóvis de Barros Filho e Luiz Felipe Pondé lançam “O que move as paixões” durante Café Filosófico CPFL Especial no Teatro Iguatemi Campinas

Escrito por:

Assessoria de Imprensa   04/10/2017


Campinas, 05 de outubro de 2017 - O Instituto CPFL, em parceria com Papirus Editora e o Shopping Iguatemi Campinas, realiza no próximo dia 25 de outubro, uma quarta-feira, às 19h, um Café Filosófico CPFL Especial de lançamento do livro “O que move as paixões”, com os autores Clóvis de Barros Filho e Luiz Felipe Pondé.

O debate acontece no Teatro Iguatemi Campinas, com distribuição gratuita de ingressos a partir das 12h do dia 24/10 (dois ingressos por pessoa) e transmissão ao vivo no site www.institutocpfl.org.br/aovivo/

A obra retrata como, desde a Antiguidade, os afetos trazem inquietação aos filósofos – e o amor talvez seja a maior delas. Os autores mostram como Platão, Aristóteles, Espinosa, entre outros pensadores, tentaram explicar as paixões e como lidar com elas. Segundo Pondé, “para que possamos pensar em afetos, amor, paixões etc., precisamos ter certa reverência por eles. Porque eles são perigosos”. Para Clóvis, “cada vez menos nos autorizamos a expor os nossos afetos, pois isso significaria expor, também, as nossas fragilidades”. E “revelar a própria fragilidade, só no último momento, em desespero de causa!”, brinca. 

Isso porque as pessoas estão muito dispostas a julgar e a condenar o comportamento do outro, fazendo com que os afetos sejam escondidos. A internet facilita esses julgamentos, principalmente nas redes sociais, nas quais todo mundo é mídia, mas também é possível haver experiências de amor. 

“As redes sociais são formas de manifestação, de relacionamento e de produção de afeto que inexistiriam se elas não estivessem ali. Isso para o bem, quando a manifestação produz em nós algo positivo, como um aplauso, um reconhecimento, ou uma crítica para que melhoremos, nos aperfeiçoemos; isso para o mal, quando ela é destrutiva, lesiva, corrosiva etc.”, pontua Clóvis.

 O conceito de amor prático, a idealização do amor, a filosofia e o medo das paixões são algumas das provocações que o leitor encontrará no livro e também no debate.
Confira alguns trechos da obra:

“Minha impressão é que o mundo contemporâneo
tem como projeto, entre outros, um lugar onde
não exista amor nenhum.” (Pondé)

“Acho estranha essa felicidade amorosa em
que temos que negar o tempo inteiro o que
sentimos em nome de não ser agredidos
afetivamente por quem se aproveitaria disso que 
é uma fragilidade.” (Clóvis)

“As pessoas acham que têm direito a tudo,
inclusive a ser amadas. Mas ninguém tem direito
a absolutamente nada.” (Pondé)

“Sinceramente, a ideia de que exista um único
amor na vida e o restante seja uma espécie 
de erro afetivo não parece coincidir com nada
do que eu tenha vivido.” (Clóvis)


-----------------------------------


Sobre os autores: 

Clóvis de Barros Filho é graduado em Direito e Filosofia pela USP e em Jornalismo pela Cásper Líbero, com mestrado em Science Politique pela Universidade Paris III – Sorbonne-Nouvelle e doutorado em Ciências da Comunicação pela USP. Obteve a livre-docência pela Escola de Comunicações e Artes da USP, onde foi professor. Palestrante há mais de dez anos no mundo corporativo e consultor pelo Espaço Ética, é autor de vários livros sobre filosofia moral.

Luiz Felipe Pondé é doutor em Filosofia pela USP e pela Universidade Paris VIII.  Possui pós-doutorado pelas Universidades de Tel Aviv (Israel) e Giessen (Alemanha). Coordenador de curso e vice-diretor da Faculdade de Comunicação e Marketing da Faap, leciona na pós-graduação em Ciências da Religião da PUC-SP. Foi professor convidado da Universidade de Marburg (Alemanha), da Universidade de Sevilha (Espanha) e da Escola Paulista de Medicina da Unifesp. É membro da Société Internationale pour l’Étude de la Philosophie Médiévale (Louvain, Bélgica) e assina coluna no jornal Folha de S.Paulo.

Café Filosófico CPFL é um programa de debates que aborda questões referentes aos indivíduos do mundo contemporâneo a partir da filosofia e da psicanálise. Abertos ao público do Instituto CPFL, em Campinas, os encontros são transmitidos ao vivo, disponibilizados na rede e, posteriormente, editados e exibidos na TV aberta e em plataformas como o YouTube.
 Sobre o Instituto CPFL:

O Instituto CPFL nasceu em 2003, como programa cultural do grupo CPFL Energia, disposto a promover o diálogo e a reflexão sobre temas e práticas do mundo contemporâneo, com foco no compartilhamento do conhecimento. O programa cresceu e hoje centraliza também ações sociais, esportivas e de qualidade de vida, levando mobilização e transformação, através do conhecimento, aos mais diversos públicos por meio de plataformas digitais e de atividades gratuitas em cidades de influência do grupo CPFL Energia. É responsável por projetos como a série de debates Café Filosófico CPFL, o Circuito CPFL de Arte e Cultura, o Circuito Energia, o programa Música Contemporânea e o Cine CPFL. O Instituto CPFL acredita que construir valores simbólicos, empoderar diversidades, reduzir vulnerabilidades, valorizar patrimônios físicos e imateriais e incentivar projetos coletivos de vida ampliam a capacidade das pessoas de ver e de estar no mundo. O Instituto CPFL fica na Rua Jorge de Figueiredo Corrêa 1632, Chácara Primavera, em Campinas.​

Tags:
    Instituto CPFL; CPFL Energia; Café Filosófico CPFL; cultura; Clóvis de Barros Filho; Luiz Felipe Pondé